Publicado em 06.02.2023
Mulheres dominam o carnaval 2023 da plataforma #CulturaEmCasa

Apresentação de Ilu Oba de Min, grupo apadrinhado de Leci Brandão, e um mergulho no universo de Noel Rosa integram o Carná; programação começa na quinta-feira, dia 17 de fevereiro

O Carná #CulturaEmCasa apresenta uma série de peças, shows e outras atividades artísticas ligadas ao Carnaval de 17 a 21 de fevereiro. O destaque vai para o grande número de mulheres que dominam a festa na maior plataforma de streaming cultural gratuita do Brasil. A #CulturaEmCasa é uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, com gestão da Amigos da Arte.

O abre-alas acontece no dia 17, a partir das 18h, com a exibição de  “Personalidades do Carnaval do Bixiga”, que vai falar sobre a da comunidade LGBTQIAP+ nos blocos de rua.  “Marchinhas Carnavalescas com o Coral Brasileirinho”, o “Bloco do Zé Pereira”, “Velha Guarda Musical da Vai-Vai”, o documentário “O Samba no Brasil”, entre outras atrações, também integram a largada do carnaval pela plataforma.

Os grupos Obscênicas e o Ilu Oba de Min se preparam para colocar o bloco na rua da #CulturaEmCasa no dia 18, com composições exclusivamente femininas. O Obscênicas e o Cornucópia Desvairada, grupo instrumental de sopros e percussão,  integram um original #CulturaEmCasa, e sobem juntos ao palco.  

Criado com o objetivo de mostrar que o lugar da mulher também é na música e na rua, o Obscênicas tem no repertório apenas músicas compostas ou interpretadas por mulheres. Com formação exclusivamente acústica, ao som de instrumentos de sopro e percussão, o grupo faz uma mistura entre os estilos de jazz e samba, funk e groove. O Cornucópia, Cornú para os íntimos, foi inspirado na diversidade cultural de São Paulo, e se debruçam em gêneros como coco, carimbó, forró, maracatu, samba, axé e brega, entre arranjos e composições próprias. O grupo, também  um bloco de carnaval,  se apresenta nos mais diversos formatos, e já participou de importantes festivais como Virada Cultural de São Paulo e Festival Honk!

No dia 19, é a vez do Ilu Oba de Min, um grupo afro, fundado em 2004,  e apadrinhado pela cantora sambista Leci Brandão. Criado pelas percussionistas Beth Beli, Girlei Luiza Miranda e Adriana Aragão, que procuravam uma forma de aumentar a participação feminina no toque do tambor, o bloco é referência em São Paulo, com seu enorme cortejo, percussão e fantasias incríveis de todos os orixás.

Na segunda-feira (20), a partir das 18h, a plataforma exibe Unidos do Swing e a Máquina do Tempo. Com direção de Giuliano Rossi, o espetáculo traz um repertório repleto de releituras de novos clássicos de New Orleans e músicas autorais do grupo, nas quais a raiz do jazz, com referências do gospel e do blues, assume um outro significado pela inclusão de ritmos da música brasileira e arranjos originais.

Na terça-feira de Carnaval (21), é a vez da peça Carnaval Sem Máscara, inspirada no conto “Peixe Cabeça de Cobra”, de Giovani Tozi. Com direção de Neyde Veneziano, é um mergulho no universo de Noel Rosa para apresentar as expectativas e frustrações de um Carnaval pós-pandemia, com muito humor, marchinha e muito álcool (em gel).

Para acompanhar toda a programação, basta acessar gratuitamente a plataforma #CulturaEmCasa pelo site https://culturaemcasa.com.br/ ou pelo APP #CULTURAEMCASA, disponível em IOS e Android. 

#CulturaEmCasa

A plataforma de streaming e vídeo por demanda #CulturaEmCasa tem a missão de ampliar o acesso da população a conteúdos culturais de qualidade, 100% gratuitos e difundir a intensa produção cultural do Estado de São Paulo, seus equipamentos e municípios. Em dois anos, a #CulturaEmCasa atingiu 4,4 mil cidades do Brasil e 166 países. A plataforma foi responsável pelo emprego direto e indireto de mais de 21 mil profissionais do setor, entre artistas, produtores e técnicos. CulturaEmCasa é uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa gerida pela Amigos da Arte e conta com um acervo com mais de cinco mil conteúdos com diferentes linguagens artísticas, entre elas, peças de teatro, shows, musicais, entrevistas, infantis e produções exclusivas. 

Lançada em abril de 2020, a plataforma, disponível na GoogleStore e AppleStore gratuitamente,  já foi acessada 7,7  milhões de vezes. São cerca de 3,6 milhões de usuários de 5,5 mil cidades. Com os olhos voltados para a diversidade, no começo de 2022, a plataforma, que já possuía ícones de acessibilidade, inaugurou uma categoria exclusivamente dedicada aos conteúdos acessíveis.

A ferramenta reúne também conteúdos do Teatro Sérgio Cardoso, do Teatro Estadual de Araras, além de diversos programas de difusão cultural como o Festival de Circo Online de São Paulo, o #CircuitoSP Online, a #ViradaSP Online, e o #SPGastronomia. Integram ainda a programação da plataforma, diversas iniciativas das instituições da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, entre as quais a Osesp (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo), a Jazz Sinfônica, a Pinacoteca, a São Paulo Companhia de Dança, o Conservatório de Tatuí, o Projeto Guri, Fábricas de Cultura, TV Cultura, Bibliotecas, e os Museus da Imagem e do Som, MIS Experience, do Futebol, Índia Vanuíre, Casa de Portinari, Felícia Leirner/ Auditório Claudio Santoro, além dos museus casa-literários, Casa das Rosas, Casa Mário de Andrade e Casa Guilherme de Almeida.

Amigos da Arte

A Amigos da Arte, Organização Social de Cultura responsável pela gestão do Teatro Sérgio Cardoso, Teatro Sérgio Cardoso Digital e Teatro de Araras, além da plataforma de streaming e vídeo por demanda #CulturaEmCasa,  trabalha em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e a iniciativa privada desde 2004. Música, literatura, dança, teatro, circo e atividades de artes integradas fazem parte da atuação da Amigos da Arte, que tem como objetivo fomentar a produção cultural por meio de festivais, programas continuados e da gestão de equipamentos culturais públicos. Em seus mais de 17 anos de atuação, a Organização desenvolveu cerca de 60 mil ações que impactaram mais de 30 milhões de pessoas.

Post arquivado em Teatro