Publicado em 21.04.2023
Arlo Parks revela novo single ‘Blades’

Duas vezes indicada ao Grammy, Mercury Prize e ganhadora do BRIT award, a artistaArlo Parks compartilhou hoje o novo single de seu segundo álbum My Soft Machine, ‘Blades’; uma faixa produzida por Paul Epworth, com sintetizadores e paisagens sonoras destinadas a fazer você se mover.

Foi escrita no que Arlo chama de “a semana mágica”, onde a dupla produziu três músicas para o álbum em cinco dias.

Arlo diz: “Paul é apenas um mago; ele tem esse espírito infantil que eu sempre amei de verdade e ele trouxe isso para a ‘Blades’. Eu queria fazer algo que eu pudesse dançar, finalmente, porque sinto que minhas canções não têm realmente essa qualidade em geral. Então, me inspirei em bandas como a ESG, artistas como Kaytranada e muito do tipo de rock psicodélico zambiano dos anos 70 que eu amo”.

Escrito sobre enfrentar o colapso de uma amizade e tentar encontrar a coragem para reconstruí-la, Arlo explica: “Imagino este momento em uma festa onde você vê alguém do outro lado da sala que você não vê há algum tempo, você se sente crescendo separado, e você está como, devo, não devo? E então você encontra a coragem de se aproximar dele. Essa é a história dessa canção”.

‘Blades’ segue seus recentes singles ‘Weightless’ e ‘Impurities’, ambos foram apresentados simultaneamente na BBC Radio 1 e 6 Music’s A Lists e viu Arlo aparecer na capa do The Guardian Film & Music. A música recebeu mais apoio de Observer, The Independent, Rolling Stone, HUNGER, NME, Clash, DORK, DIY e outros. Ambos os singles aparecerão no próximo álbum, previsto para 26 de maio na Transgressive Records.

O single é acompanhado por um vídeo oficial, dirigido por Bedroom na Compulsory Film, que já trabalhou com Arlo anteriormente para seu vídeo ‘Too Good’.


My Soft Machine é um trabalho profundamente pessoal; uma narração das experiências de Parks enquanto ela navega na casa dos 20 anos e o crescimento se entrelaça. Foi gravado entre Londres e Los Angeles, com os produtores Paul Epworth, Ariel Rechtshaid, Romil Hemnani (Brockhampton), Frank Ocean-colaborando com Buddy Ross e Carter Lang (SZA) – assim como alguma autoprodução da própria Arlo.

Explicado sempre de forma detalhada em suas próprias palavras abaixo, você também pode assistir a este belo vídeo para saber mais sobre o próximo disco e os temas dele.

A nossa visão do mundo é movida pelas coisas que experimentamos – nossos traumas, nossa educação, nossas vulnerabilidades quase como a neve visual. Este registro é a vida através do meu olhar, através de meu corpo – a ansiedade dos 20 anos , o abuso de substâncias dos amigos ao meu redor, as vísceras de estar apaixonado pela primeira vez, navegando pelo stress e pela dor e auto sabotagem e alegria, movendo-se por mundos com admiração e sensibilidade – o que é estar preso neste corpo em particular. Há uma citação de um filme de Joanna Hogg chamado Souvenir, é um filme semi-autobiográfico A24 com Tilda Swinton – narra um jovem estudante de cinema se apaixonando por um homem mais velho e carismático como um jovem estudante de cinema sendo então atraído para seu vício – em uma cena inicial ele está explicando porque as pessoas assistem a filmes – ‘não queremos ver a vida como ela é representada, queremos ver a vida como ela é vivida nesta soft machine’. Então aí está, o registro se chama… My Soft Machine“. – Arlo Parks

Post arquivado em Notícias